Bispo de Criciúma celebra missa com os jornalistas

Celebração foi realizada em ação de graças pelo trabalho da imprensa e em razão do Dia Mundial das Comunicações Sociais, celebrado pela Igreja no último domingo de maio.

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Hoje eles não foram cobrir nenhuma pauta. Ao contrário, o assunto principal foram eles próprios. Na manhã desta sexta-feira, 19, o Santuário Diocesano Nossa Senhora de Caravaggio, em Nova Veneza – que a partir de hoje passa a celebrar a novena em preparação à 66ª Romaria – acolheu profissionais representantes de diversos veículos de comunicação do Sul Catarinense.

O motivo do encontro foi o fato de a Igreja estar próxima de celebrar o 51º Dia Mundial das Comunicações Sociais, em 28 de maio e, por causa disso, a necessidade de partilhar a mensagem do Papa Francisco aos comunicadores para a data.

- PUBLICIDADE -

A celebração em ação de graças por todos os trabalhos desenvolvidos pela imprensa na região foi presidida pelo Bispo da Diocese de Criciúma, Dom Jacinto Inacio Flach, e concelebrada pelo Reitor do Santuário, padre Valdemar Carminati; pelo Coordenador Diocesano de Pastoral, padre Joel Sávio, e pelo pároco de Urussanga e presidente da Rádio Marconi, padre Daniel Pagani. A animação foi conduzida pelo músico Leonei Ferrarezi, de Araranguá,que recentemente lançou um álbum com canções sobre Deus e a família.

Em sua intenção para a missa, Dom Jacinto pediu para que todos os jornalistas sejam iluminados pela graça de Deus em seu dom de comunicar e rezou pela alma do jornalista Aires Cardoso, do jornal Folha dos Municípios, falecido nesta semana, vítima de infarto.

Em sua fala, o Bispo de Criciúma ressaltou a constante preocupação da Igreja com a comunicação, em sua missão de propagar a Boa Nova de Jesus Cristo. Dom Jacinto recordou alguns trechos escritos pelo Papa na mensagem que tem por tema: “’Não tenhas medo, que Eu estou contigo’ (Is 43,5) – Comunicar a esperança e confiança, no nosso tempo”. “A todos quero exortar a uma comunicação construtiva, que, rejeitando os preconceitos contra o outro, promova uma cultura do encontro por meio da qual se possa aprender a olhar, com convicta confiança, a realidade. Creio que há necessidade de romper o círculo vicioso da angústia e deter a espiral do medo, resultante do hábito de se fixar a atenção nas ‘notícias más’. Não se trata, naturalmente, de promover desinformação onde seja ignorado o drama do sofrimento, nem de cair num otimismo ingênuo que não se deixe tocar pelo escândalo do mal. Antes, pelo contrário, queria que todos procurássemos ultrapassar aquele sentimento de mau-humor e resignação que muitas vezes se apodera de nós, lançando-nos na apatia, gerando medos ou a impressão de não ser possível pôr limites ao mal ”, parafraseou Dom Jacinto.

O epíscopo ressaltou o importante papel desempenhado pelos veículos de comunicação, como parceiros na divulgação de tantas iniciativas e acontecimentos da Igreja diocesana, mais recentemente, com relação à inauguração do Santuário Sagrado Coração Misericordioso de Jesus. Conforme o Bispo, os meios atenderam a ânsia dos fiéis por informações sobre o novo templo edificado. “Vejo o que vocês conseguem fazer e por isso têm tanta acolhida em nossa região. A nossa Diocese abrange 26 municípios, 33 paróquias, mais dois santuários e uma população de aproximadamente 600 mil pessoas. Percebo, aqui, algo diferente de outras regiões. Vocês conseguem criar uma certa empatia e sintonia com nosso povo. Nunca ouço críticas ou reações negativas contra os jornalistas, porque vocês conseguem fazer uma conciliação entre as boas e as más notícias”, elogiou Dom Jacinto.

Diante da situação que se encontra o país, especialmente no cenário político, quando, segundo o Bispo, meios de comunicação nacionais parecem dar foco apenas a notícias negativas, Dom Jacinto enfatizou que Jesus Cristo, através de sua vida, morte e ressurreição, mostra que a última palavra sempre será de Deus e que sua Páscoa garante que o poder do mal perde sua força a certa altura. De acordo com Dom Jacinto, as notícias ruins de agora podem ser um sinal de purificação no futuro.

Missas com outras categorias

Ao concluir a celebração, o Bispo afirmou que outros encontros, como este primeiro realizado aos jornalistas, serão conduzidos a médicos, advogados, militares e políticos. “Que possamos nos sentir próximos! Deus abençoe e guarde a vida de vocês. Este não será o último encontro. Vamos continuar a fazer esses encontros, pois é muito importante que a Igreja cumpra aquilo que o Papa tanto insiste: uma Igreja em saída, que não fica esperando na sacristia. Esse espírito queremos construir, cada vez mais, para que a sociedade toda possa melhorar”, disse.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Nova Veneza

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.