Alcoolizados, homens se agridem com pedaço de madeira e PM intervém

Os quatro homens não acataram duas vezes a ordem de parada e tentaram se evadir jogando os pedaços de madeira e pedras contra a viatura. O grupo estava em um barraco, situado em um terreno baldio, na Rua General Osvaldo Pinto da Veiga, bairro Próspera, em Criciúma

Foto: Camila Marini/Arquivo/DN
- PUBLICIDADE -

A Polícia Militar teve que utilizar armamento não letal para conter quatro homens que, alcoolizados, estavam se agredindo com pedaços de madeira e ao verem a guarnição não acataram duas vezes a ordem de parada e ainda tentaram se evadir jogando os pedaços de madeira e pedras contra a viatura. O grupo estava em um barraco, situado em um terreno baldio, na Rua General Osvaldo Pinto da Veiga, bairro Próspera, em Criciúma.

Policiais chegaram até o local, após serem acionados por uma mulher que havia sido agredida e estava ferida. A vítima foi encontrada, caída na parada de ônibus, em frente ao barraco, com hematomas no rosto e visivelmente embriagada. Visto a briga generalizada, a guarnição pediu apoio da Rocam e outra viatura. O uso de armamento não letal se fez necessário para cessar as agressões mútuas e para resguardar a integridade física dos policiais e transeuntes que ali próximo transitavam.

- PUBLICIDADE -

Segundo os moradores próximos, as brigas no local são constantes e o uso de álcool e drogas também são frequentes. Depois da abordagem, as pessoas agradeceram as guarnições e pediram mais rondas.

O suspeito de agredir a mulher negou o crime. Ele também estava muito embriagado e disse ter ido ao local ver a ex-namorada. A vítima, devido ao estado de embriagues, não sabia relatar com precisão as características do homem que a agrediu. Ela foi conduzida para o Hospital São José pelo Corpo de Bombeiros para ser atendida.

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.