Afasc e Turma do Bem realizam triagem odontológica em crianças e adolescentes

Após avaliação, pacientes selecionados receberão tratamento gratuito em todas as especialidades

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Dentistas recomendam que a primeira consulta odontológica ocorra logo após o surgimento do primeiro dente do bebê. Contudo, há casos de adolescente de 15 anos que nunca tiveram a saúde bucal avaliada por profissionais especializados. Assim, problemas que poderiam ser rapidamente resolvidos podem demorar vários anos a serem solucionados ou mesmo se tornarem permanentes. Para tentar evitar que isso ocorra, a Turma do Bem, que reúne dentistas voluntários em 1,3 mil cidades do Brasil, além de outros dez países, organizou, nessa sexta-feira (28), uma Mega Triagem. Em Criciúma, o ato foi realizado no Parque das Nações Cincinatto Naspolini e teve a parceria da Associação Feminina de Assistência Social de Criciúma (Afasc), que encaminhou as crianças e adolescentes que frequentam os Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFVs), em sete bairros.

- PUBLICIDADE -

Na maioria dos casos, foram registrados problemas ortodônticos, também conhecidos como “dentes tortos”. “Essas situações não provocam dores, mas os deixam com vergonha do próprio sorriso e, assim, de toda a aparência”, salienta o dentista Tiago Guimarães Araújo, especialista em periodontia e próteses. “A melhor idade para colocar aparelhos nos dentes é em torno dos 15 anos, portanto, mesmo esses casos de quem nunca consultou podem ser resolvidos”, destaca.

Após a triagem, os dentistas analisarão quais são os casos prioritários. Para esta seleção, serão levados em conta critérios como vergonha de sorrir, gravidade do problema e proximidade do primeiro emprego. Em seguida, os selecionados serão chamados para iniciarem os tratamentos, totalmente gratuitos. “Não ganhamos dinheiro, mas ver o sorriso dessas crianças faz tudo valer a pena”, conclui Araújo.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.