Abraço coletivo no Hospital Psiquiátrico ocorre nesta quarta-feira

Ato está marcado para as 13 horas, no Rio Maina, e deverá contar com a participação de funcionários, diretoria, familiares de pacientes e simpatizantes da causa

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Criciúma

A exemplo do que ocorreu com o Hospital São José na última semana, outra instituição de saúde de Criciúma será “abraçada” em um ato coletivo: o Hospital Psiquiátrico Instituto de Saúde e Educação Vida (ISEV), no distrito de Rio Maina. A mobilização busca chamar a atenção para a unidade, pois, em breve, ela poderá deixar de atender pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A ação está marcada para esta quarta-feira, às 13 horas, em frente à instituição, e contará com a participação da sociedade em geral. Em caso de chuva, o ato será remarcado para outra data.

- PUBLICIDADE -

De acordo com o diretor administrativo do Hospital Psiquiátrico, Marcelo Sottana, a iniciativa tem participação importante dos próprios parentes dos internos. “A ação partiu um pouco de cada lado. Os familiares nos procuraram, pois se sentem também preocupados com essa situação do hospital. Então, perante isso, eles nos pediram apoio para algum tipo de ato”, explica.

 

A mobilização começou a ser organizada após a direção anunciar que o hospital poderá deixar de atender pelo SUS, caso os repasses feitos pelos municípios atendidos e pelo Governo Federal não aumentem. O principal problema alegado pela instituição está no valor pago por meio de contratos e convênios, que não seria suficiente para suprir as despesas com pacientes, fornecedores e profissionais.

 

Confira a reportagem completa na edição desta quarta-feira, 29, do jornal Diário de Notícias.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Suelen Bongiolo
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.