Operação da Polícia Civil desarticula organização criminosa

- PUBLICIDADE -

A união de esforços entre delegacias de comarcas do Sul catarinense resultou na desarticulação de uma organização criminosa que atuava em diversas cidades da região. Com apoio da Diretoria Estadual de Investigação Criminal (Deic) e trabalho de 120 policiais civis, oito pessoas foram  encaminhadas ao Presídio Santa Augusta e 32 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Criciúma, Balneário Rincão, Maracajá, Porto Alegre e Alvorada.

Durante a operação, denominada de Clínica Geral, a Polícia Civil encontrou material explosivo escondido em um sítio, no bairro Pinheirinho, local supostamente utilizado para reunião da organização. O proprietário não foi localizado, contudo há um mandado de prisão ativo contra ele. “Ele já era investigado por fornecer materiais explosivos a quadrilhas em outros inquéritos”, pontua o delegado responsável pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Criciúma, André Milanese.

- PUBLICIDADE -

As investigações foram intensificadas em fevereiro, após uma série de explosões a caixas eletrônicos ser registrada em diversos municípios das regiões de Criciúma, Araranguá e Tubarão ao longo de 2015. Contudo, com o decorrer das investigações, conforme o delegado da Deic, Anselmo Cruz, foi possível identificar a participação destas pessoas em furtos, roubos, homicídios e no tráfico de drogas. “A investigação iniciou por um tipo específico de crime, e acabou se chegando a uma organização criminosa que atua nas diversas frentes”, comenta Cruz.

Foto: Angelica Brunatto/DN
Delegados de Urussanga, Jaguaruna, Içara, Criciúma e Florianópolis participaram da ação. (Foto: Angelica Brunatto/DN)

Apoio do helicóptero

Dos mandados de prisão temporária, seis foram cumpridos em Criciúma e Balneário Rincão. Outros dois criminosos, entre eles o líder da organização, foram encontrados em Porto Alegre e detidos com o apoio da Polícia Civil do Rio Grande do Sul. O diferencial desta operação foi o uso do helicóptero a ser destinado ao Sul catarinense. A aeronave deixou a região, durante a manhã de ontem, com destino a capital gaúcha, onde buscou os dois detidos. “Tivemos o auxilio do Saer, que a partir de agora faz parte do trabalho de policiamento aqui no Sul, apesar de a base ainda não estar pronta”, salienta o delegado regional Juarez de Souza Medeiros. Ontem, a aeronave voltou a Florianópolis, porém a expectativa é que em 20 de outubro esteja baseada em Criciúma.

O líder da organização é natural de Porto Alegre, porém residia em Alvorada, no Rio Grande do Sul. Contudo, há três anos vivia em Balneário Rincão, onde recrutava pessoas para a organização. Conforme Cruz, após os crimes serem cometidos no Sul catarinense, ele voltava para Alvorada, onde se refugiava. Ainda segundo o delegado da Deic, foi possível mapear ao menos três explosões a caixas eletrônicos na região de Porto Alegre. “Era uma organização criminosa estruturada, com liderança, papeis bem definidos. Alguns realizavam assaltos, outros tráfico e alguns executavam homicídios”, pontua Cruz.

A Polícia Civil também apura o envolvimento deles em facções criminosas. “Tem provas bastante contundentes que relaciona essas pessoas a facções criminosas. Não se tratava de uma quadrilha isolada”, salienta Milanese.

“Era uma organização criminosa estruturada, com liderança, papeis bem definidos. Alguns realizavam assaltos, outros tráfico e alguns executavam homicídios” – Anselmo cruz, delegado da Deic

Guerra pelo tráfico

Era em Balneário Rincão que grande parte da organização estava situada. Conforme o responsável pela delegacia de Içara, Rafael Iasco, as investigações iniciaram quando, no final do último ano, foi registrada uma guerra entre criminosos, o que culminou na elevação dos homicídios. Percebeu-se, também, que eles deixavam o município e iam a outras cidades cometer crimes. “Cada delegacia fazia a investigação de forma separada. Foi então que juntamos as investigações e houve uma força tarefa das delegacias para monitorar essa quadrilha”, comenta.

Assaltos a residências, comércio e explosão a caixas eletrônicos foram registrados também em Jaguaruna, Treze de Maio e Sangão. “Os crimes eram praticados com extrema violência. As famílias eram amarradas e mantidas por um longo período sob a mira de arma de fogo”, salienta a delegada responsável pela delegacia de Jaguaruna, Isabel Fauth.

Divulgação
Concentração iniciou às 6 horas, em Içara (Divulgação)

O assalto a uma lotérica seguido pelo roubo a uma joalheria, em uma galeria no Centro de Urussanga, registrado no início deste ano, foi um dos crimes cometidos por integrantes dessa quadrilha. Um deles, Willian Viana, de 27 anos, foi morto em confronto com a Brigada Militar do Rio Grande do Sul em março, no município de Alvorada. “Essa quadrilha é bastante conhecida por confrontos com a polícia”, salienta a delegada Isabel.

A suspeita é que a quadrilha possa ser responsável por ao menos 50 crimes de naturezas diferentes em várias cidades. O próximo passo da Polícia Civil é concluir o Inquérito Policial instaurado. “A gente ainda vai dimensionar tudo o que eles poderão ser responsabilizados”, aponta o delegado da Deic.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Angelica Brunatto
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.