Divulgação
- PUBLICIDADE -

Com mandado de busca e apreensão, Polícia Civil de Balneário Rincão vai ao local e colhe materiais
Com mandado de busca e apreensão em mãos, a Polícia Civil de Balneário Rincão entrou na residência onde, supostamente, o empresário, de 38 anos, teria levado meninas para abusar sexualmente. Conforme o responsável pela delegacia, Leandro Klug, as características do local, adquirido há cerca de 45 dias, coincidem com o relato da vítima, de 15 anos, estuprada no início deste mês.

O espaço foi periciado e vários materiais, como cabelo e roupas de cama foram encaminhados para análise. “Trata-se de uma bela casa de veraneio, limpa e com vigilância patrimonial. O Inquérito Policial vai confirmar a suspeita de que, o mesmo autor do caso envolvendo a menina em Cocal do Sul tenha cometido o crime aqui também”, salienta.

- PUBLICIDADE -

Ainda há a suspeita de que o empresário, recluso no Presídio Santa Augusta, tenha praticado um estupro na comunidade de Boa Vista e no bairro Jardim Elizabete, em Içara. Em comum entre as ocorrências há o envolvimento de um veículo sedan preto, de grande porte, verossímil ao utilizado pelo pedófilo preso em Criciúma, um dia após violentar uma menina de 11 anos em Cocal do Sul.

Casos em Içara

A menina raptada em 5 de maio será ouvida na comarca de Joinville, onde atualmente reside. Ela foi levada para um apartamento sob ameaça de uma arma e acabou liberada próximo ao local em que havia sido abordada, na Rua Ézio Lima, no bairro Jardim Elizabete. Segundo os exames periciais, ela não chegou a ser abusada.

No caso de Boa Vista em fevereiro de 2015 as informações do boletim de ocorrência apontavam também o uso de um carro preto. “O inquérito foi fechado sem uma conclusão. Se surgirem novas provas, poderá ser desarquivado. Mas estamos com dificuldade de contato com a vítima”, indica o delegado responsável, Rafael Marin Iasco.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.