Relator da Lava Jato faz palestra em Criciúma

Desembargador federal do Tribunal Regional da 4ª Região, João Pedro Gebran Neto falará sobre o papel do Poder Judiciário na crise e combate à corrupção

- PUBLICIDADE -

Marciano Bortolin

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Com bagagem de 20 anos como Juiz Federal e há três anos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, João Pedro Gebran Neto vem a Criciúma no próximo dia 6 de outubro, para falar sobre o papel do Poder Judiciário na crise e combate à corrupção. O evento, referente aos dois anos do Observatório Social de Criciúma, será no Auditório Jayme Zanatta, na Associação Empresarial de Criciúma (Acic), às 19h30min. Os convites podem ser retirados gratuitamente na própria sede da Acic, mas antes é preciso se inscrever pelo site.

Uma das integrantes da diretoria do Observatório Social, Marion Backes, lembra que o aniversário da instituição foi em agosto, mas devido a agenda do magistrado e às eleições, a comemoração ficou para o mês que vem. “Nossa expectativa é muito boa. Acredito que mais de 500 pessoas participarão do evento. Já percebemos o interesse de muitos empresários e estudantes”, fala.

Relator da operação Lava Jato no âmbito da 2ª instância, Gebran possui graduação em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba e mestrado em Direito pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente é Desembargador federal do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Integrante do Comitê Executivo Nacional do Fórum Nacional da Saúde do CNJ. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Constitucional, atuando principalmente nos seguintes temas: garantias, direitos, obrigatoriedade e estatal. Ex-Coordenador do Comitê Executivo da Saúde do Paraná. 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Marciano Bortolin
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.