Médicos paralisam atividades no HMISC

Paralisação foi anunciada na tarde de segunda-feira, dia 12
- PUBLICIDADE -

Em 15 minutos de espera no Hospital Materno Infantil Santa Catarina (HMISC), pelo menos três crianças saíram da instituição de saúde sem atendimento. Isso porque, desde às 16h de ontem, o corpo clínico do hospital paralisou as atividades devido a falta de repasses do Instituto de Saúde e Educação Vida (ISEV). Com o salário do corpo clínico em atraso por três meses, a alternativa vista pelos médicos foi de suspender os atendimentos, salvo as situações de urgência e emergência.

“É uma vergonha que isso esteja acontecendo, uma falta de consideração para quem precisa, já que é o único local que presta atendimento exclusivo para as crianças”, aponta Elsen Camilo que, juntamente da esposa levou a filha de dois anos para a instituição com vômito e febre. A alternativa encontrada foi de levar a menina ao 24 horas do bairro Próspera.

Corpo clínico emite nota oficial

- PUBLICIDADE -

Em nota, o corpo clínico da instituição informou que a paralisação será por tempo indeterminado. Segundo o documento, considerando que o ISEV não cumpre com a contrapartida financeira desde junho deste ano e que o instituto já foi comunicado por meio de notificação extrajudicial sobre a possibilidade de paralisação dos serviços e que os médicos não interromperam em nenhum momento os serviços, mesmo sem a justa remuneração, a paralisação foi anunciada.

De acordo com o comunicado, serão suspensos por tempo indeterminado os serviços referentes ao pronto-socorro, salvo as situações de urgência e emergência referenciadas pelo SAMU e/ ou Corpo de Bombeiros, e também os serviços de enfermaria pediátrica e UTI Neonatal e Pediátrica assim que os pacientes tiverem alta médica e/ou forem transferidos a outras instituições.

ISEV garante negociação

De acordo com o coordenador regional do ISEV, Fabiano Voltz, o instituto segue em contato com os médicos. “A prefeitura de Criciúma nos fez um repasse e ele foi encaminhado integralmente para os médicos, porém eles não acharam suficiente. Apesar de não haver previsão para que as atividades sejam retomadas, estamos em contato direto com os médicos para que uma negociação seja realizada e que os serviços sejam restabelecidos o mais rápido possível”, aponta Fabiano.

Prefeitura repassou mais de R$ 700 mil

A Prefeitura de Criciúma confirmou o repasse realizado ao ISEV ontem. Segundo o presidente do conselho superior de gestão da prefeitura, Silvio Ávila Júnior, foram encaminhados ao instituto R$ 790 mil. “O repasse é feito 100% da prefeitura e o valor foi fixado em contrato. Já a produção é paga pelo governo do Estado. Nós fizemos ontem um novo repasse e estamos com um mês em atraso, referente a parcela que venceu em 20 de agosto”, aponta Silvio.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Jéssica Pereira
Em: Criciúma

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.