Metalúrgicos encerram greve com 10% de aumento geral

- PUBLICIDADE -

Após dois dias de paralisação, os metalúrgicos da Região aceitaram a proposta de 10% de reajuste geral, sendo 9,49% do INPC do período e mais 0,51% de ganho real e 12% no abono oferecida pelo sindicato patronal – Sindimaq encerrando assim o protesto. Com o percentual o piso passa de R$ R$ 1.293,40 para R$ 1.422,74.

 

- PUBLICIDADE -

A diferença de julho, data-base da categoria, será paga na folha de agosto e os dias parados descontados em férias ou em hora-extra a critério da empresas.  Em votação secreta na assembleia da noite de hoje (19), no sindicato, um total de 139 aprovou o percentual e 13 disse não. A greve começou na noite de quarta-feira(17) na Industrial Conventos (Icon) de Criciúma com adesão 100% em todos os três turnos. O movimento ampliaria nesta sexta-feira com a paralisação de mais três empresas de referência no setor: Industrial Pagé de Araranguá, Cardal Máquinas e Equipamentos e CMC de Cocal do Sul.

 

No entanto, com a sinalização de melhoria da proposta, a categoria manteve o protesto somente na Icon até a votação. Na avaliação do presidente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Criciúma e Região (Sinmetal), Francisco Pedro dos Santos, a proposta ainda não contempla todas as necessidades mas garante um percentual de ganho real e um piso maior  demonstrando a organização e luta dos trabalhadores e a conquista de um aumento maior do que a inflação”, destacou o presidente. São mais de 1,4 mil trabalhadores na Região de Criciúma e Araranguá. As metalúrgicas estão distribuídas em 29 municípios do sul do estado.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O DN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.