Ex-trabalhadores conhecem plano de recuperação judicial

Dados foram apresentados em reunião do sindicato com os antigos funcionários realizada ontem

Foto: Maristela Benedet/ Especial DN
- PUBLICIDADE -

Cerca de 300 ex-funcionários da Criciúma Construções realizaram ontem uma assembleia no Sindicato dos Ceramistas, no Centro de Criciúma, para analisar a proposta de recuperação judicial da Criciúma Construções.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Ceramistas de Criciúma e Região, Itaci de Sá, o encontro teve relação com a autorização do sindicato e do departamento jurídico para a aprovação do plano de recuperação judicial da empresa. “Neste primeiro momento vamos apresentar a proposta que será votada nos dias 1º e dia 8 de dezembro. Para a empresa ficar ativa e poder cumprir com os seus compromissos a recuperação judicial precisa ser aprovada pelos credores e, neste caso, os trabalhadores são os maiores credores da Criciúma Construções”, explica Itaci.

- PUBLICIDADE -

De acordo com o presidente do sindicato, os trabalhadores têm em torno de R$ 8 milhões para serem recebidos. “Quando a empresa parou os trabalhos, deixou de pagar os salários, depositar o FGTS, entre outros valores”, explica Itaci que, na reunião apontou que o valor para cada um receber tem o teto máximo de até 62 mil.

 

Valores devidos devem ser pago em dezembro

Segundo a previsão do presidente do sindicato, caso seja aprovado o plana na primeira assembleia de dezembro, a expectativa é que os valores logo sejam pagos aos trabalhadores. “Nossa previsão é que até a primeira quinzena de dezembro esses valores sejam depositados. Acreditamos na aprovação do plano e neste resultado que seria um presente de Natal para esses trabalhadores que já sofreram tanto”, explica Itaci.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Jéssica Pereira
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.